As duas especialidades trabalham com madeira, mas não são a mesma coisa. Entenda!

A madeira é uma das matérias-primas mais versáteis que existem. Estruturas na construção civil, diferentes tipos de guarda-roupa e outros móveis, artefatos decorativos, acessórios de cozinha, ferramentas de trabalho: a diversidade de funções que podemos dar a esse material é enorme.

Quando pensamos no uso da madeira em nossas casas, dois profissionais nos vêm à mente: o marceneiro e o carpinteiro. Eles são frequentemente confundidos e muita gente fica sem saber a qual deles recorrer quando precisa de algum serviço. No entanto, há algumas especificidades que diferenciam as duas especialidades.

Antes de entendermos as diferenças, no entanto, é importante sabermos que essas duas profissões se complementam e, inclusive, uma é derivada da outra. Por isso, dependendo do projeto, os dois profissionais podem ser requisitados, porém em etapas diferentes.

Construção X objetos

Relatos históricos indicam que a carpintaria é uma das profissões mais antigas que existem e, em épocas remotas, esse era, de fato, o nome de qualquer profissão que soubesse trabalhar a madeira, especialmente em sua forma maciça, ou seja, o material bruto.

O ofício de carpinteiro surgiu quando o homem começou a construir grandes casas e estabelecimentos comerciais, que tinham a madeira como base estrutural. Ainda hoje, esse é o profissional que trabalha com vigas de sustentação, escadas e outras estruturas relacionadas à construção civil.

O carpinteiro também é muito requisitado na área de construção naval, na hora de fazer grandes e pequenas embarcações, e na indústria, tanto para construir os galpões como para trabalhar a madeira bruta para ser manuseada posteriormente por outros profissionais.

Um bom carpinteiro precisa ter conhecimentos geométricos e técnicos, além de saber diferenciar os tipos de madeira. Esse profissional costuma ser também o mais capacitado para certificar que uma madeira é de boa qualidade, característica decisiva no resultado de uma obra em que ela é utilizada.

Já o marceneiro surgiu depois, com a necessidade de trabalhar melhor os detalhes, desenvolvendo móveis, acessórios utilitários e até mesmo objetos de decoração. Dizem que a marcenaria é derivada da carpintaria e, portanto, apesar de diferentes, as duas atividades sempre estarão relacionadas.

De forma geral, é o marceneiro que faz mesas, armários, estantes, ferramentas e outros objetos. Esse é o profissional indicado tanto para confeccionar esses móveis e objetos como para efetuar modificações ou reparos que possam ser necessários com o tempo.

O marceneiro costuma utilizar a madeira já trabalhada de alguma forma, em chapas e painéis, por exemplo, e até mesmo outros materiais mais baratos, como o MDF. Mas, assim como o carpinteiro, precisa ter bons conhecimentos sobre os tipos de madeira e saber diferenciar um material de qualidade daquele que não tem.

A marcenaria é considerada uma atividade mais delicada que a carpintaria, pois os detalhes são bem importantes e valorizados. Sendo assim, esse é um profissional que também precisa ter uma boa técnica, pois é como um artesão.

O desenvolvimento da tecnologia auxilia bastante os marceneiros, com ferramentas e equipamentos que os ajudam na hora de fazer um bom acabamento. No entanto, as máquinas não trabalham sozinhas e a atenção ao detalhe e minúcia na hora de operar as ferramentas é uma característica muito valorizada em um marceneiro.

Alguns dos melhores marceneiros produzem móveis e objetos tão perfeitos que são considerados verdadeiros artistas, uma vez que suas peças são um tanto como obras de arte (em alguns casos literalmente). Como é o marceneiro quem faz melhor a parte de acabamento, não é incomum que ele complemente o trabalho do carpinteiro em uma obra, geralmente nas etapas finais, onde a atenção aos detalhes se faz mais necessária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.